quinta-feira, 30 de abril de 2009

Profecia

Ela me disse que queria ir embora. Foi um choque.

Acredito que um dia iremos acordar, lentamente abriremos os olhos –como naquelas cenas de filme- e veremos toda a beleza da vida, a fragilidade do momento, a riqueza da simplicidade.

E tudo isso num tal de belo acordar.

Vamos sentir o ar entrando pelas narinas, sentiremos o passar do sangue pelas veias e ficaremos parados, estáticos pela grande surpresa. O cachorro do vizinho vai latir e o telefone irá tocar, mas soará tão poético que não iremos mais querer nos mover pra que esse instante não acabe nunca.

Uma mosca pousará em nós. Não será possível resistir e bateremos nela, ela vai sofrer e seu sofrimento nos trará a dura realidade.

Alguns não irão resistir e morrerão por não sentir o ar tão vivo como dantes, outros se empalharão tentando recuperar o momento e para tantos a sensibilidade e a mosca entrarão in memória e nada mais – serão como pedras até o último suspiro.

Acho que eu acordei’ hoje, lentamente abri os olhos e sorri. Ah, como é bom sorrir, meu deus.



Porque no inicio era o verbo e esse verbo correu pela mente, saiu pela boca, escorreu pelos braços e se materializou entre os dedos, o lápis e o papel.

Um comentário:

Debby disse...

O bom q, qndo quero, "traduzo" como quero.

=)