sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Eu nem sonhava te amar desse jeito...

7 meses de 60h semanais. 
7 meses desde que entrei nesse casulo de transformações chamado residência. 
7 meses. E já não sou a mesma desde o primeiro dia. 



Se houvesse tempo para pensar saberíamos que estamos andando na contramão e que a vida não é pra ser feita apenas de tensão e dívidas. Se sobrasse disposição para inovar e criar... as páginas deixariam de estar em branco. Se houvesse mais tempo para dormir talvez brotassem mais sonhos nos nossos dias. Mas vamos seguindo, vivendo como nossos pais, tentando lembrar que um dia prometemos não repetir os mesmos erros, esquecendo dos problemas sociais e vivendo na famosa bola de vidro.

Vamos andando que "mais um dia menos um dia", mas o de hoje já acabou. Tempo ocioso também é vida e é por isso que as crianças são tão hábeis em aprender, pequenos gênios que surgem nas areias do ócio. Mas não há tempo para pensar outra vez, se o fim do mês chegar... não haverá hora se não for a extra.

Na beira do leito, à noite, o vento sussurra no ouvido do outro que a solidão arrebata o coração, que os dias passaram rápido e que o abraço poderia ter sido mais demorado. A comida de casa de repente parece a melhor comida do mundo. E o vizinho chato? Continua chato, mas talvez não fosse tão ruim assim. O vento fofoca horrores nos ouvidos alheios fazendo o coração apertar. A porta bate incansável e anuncia que a noite ainda será longa.

E no fim só queremos ser amados. Amados por qualquer um, a qualquer hora.
Ser normal para ser aceito.
Seguir as regras para ser incluído.
Ter sucesso para ser "alguém".
Estética para ser admirado.
Nesse mundo alimentamos mentiras para sermos amados.
Estimulamos o ego para sobreviver se não formos capazes de amar e ser amados.


É só o amor que conhece o que é verdade. 



 Abracadabra!, eu disse, mas as vendas não caíram.
E meus sentidos ainda permanecem na hipnose que um dia entrei.
Mundo de ilusões, me deixe em paz.



sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Últimos dias

Nó na garganta e no coração. Um nó  que expande e sobe pela cabeça, desce pelo pescoço, paralisa braços e pernas. Silencia a voz. Esse é o nó dos últimos acontecimentos.
O grito silenciado da revolta fica travado e as lágrimas de decepção não descem mais. Eles conseguiram e agora sou um robô, um boneco de carne e sangue, uma máquina de comer, trabalhar e dormir, um animal irracional que opera máquinas. Criança domada em rédeas e gibão que deixou de ser gente e não se percebe mais como comunidade, natureza, ser. Vê as atrocidades e recolhe para si suas reflexões em um misto de inferno e realidade.

Acorda o seu eu verdadeiro. Acorda. Acorda. Tira as vendas que o mundo anda sofrido e não adianta fechar os olhos ou tampar os ouvidos, os gritos do inferno já vêm acompanhados de lucros.

Quantos sofrem sem saber a razão?

Quantos esquecem para quê vivem?

Quantos rejeitam sonhos e vendem seus dias para ganhar o pão?

Quantos se perdem em preces para aguentar os dias? Vivem em prisões sem saber. Morrem sem saber.

Quantos acham que educação e saúde são um mero favor?

Quantos se sujeitam ao mercado espiritual para alcançar um futuro melhor já que o hoje é de misérias?

E entre tantos, quantos deles sou eu e você?


No limiar da normalidade e loucura eu vivo, equilíbrio, caio. Que a loucura seja contagiosa e retire a senda que nos torna impotentes. Sou um monstro preso em uma gaiola feita com palitos.

Que a loucura de ser consciente me retire dessa impotência sem fundamentos. 

 

terça-feira, 2 de maio de 2017

E se fez luz!





Do que somos feitos

Já ouvi dizer que somos feitos de barro,
material genético,
proteínas, carboidratos e lipídios,
poeira cósmica do espaço,
água e comida,
onda vibracional condensada,
crenças, amor e luz.
Já ouvi dizer tanto! Palavras são muitas.
Muitas palavras, pouco é o sentido.


Sou dicotomia. Sei. Não sei.
Bom mesmo seria a gente aceitar que da vida não sabe de nada. 

Me entrego e fui. 





Rascunhos do alter ego

Através da porta entre aberta vejo seu corpo molhado do banho, uma mecha de cabelo caindo pelo rosto e por alguns instantes seus olhos cintilantes param nos meus. Aquele sorriso misto de vergonha e ousadia brota e aí já é certo que vou me apaixonar de novo, novamente, mais uma vez.
Fecho meus olhos e sinto o pulsar dos seus lábios nos meus. Sua perna entre as minhas. Apertando. Pressionando. De olhos fechados sinto o seu gosto em minha boca me fazendo esquecer da hora, da fome, do mundo.

Sinto o toque dos seus lábios e todo o corpo se contorce em dança e grita. 
Esqueço do mundo para estar no presente. 
1...2...3... Se abro os olhos você já não está mais lá. 

sexta-feira, 7 de abril de 2017

O corretivo

Diariamente lido com pessoas que me relatam obstipação, passam dias e mais dias sem ir ao banheiro, mas do meu problema ainda não ouvi nenhum caso e até duvido que haja um medicamento para isso. Há alguns dias estou sofrendo da falta de lágrimas, a garganta travada, as linhas de expressão alteradas, faço até um esforço, mas sem êxito. Olhos secos, sem nem lacrimejar.

No trabalho a lista diária sofre mudanças constantes, troca de quarto, troca de andar e principalmente devido ao falecimento das pessoas. Morte. Morte. Morte. Morte. Falamos várias vezes para que morrer se torne tão natural quanto viver. Para que a finitude do corpo físico se torne nossa amiga.
Mas o corretivo é cruel e verdadeiro. Ele apaga o nome da pessoa, seus gostos, rejeições, problemas, tudo. Apaga tudo da lista e abre espaço para que outros cheguem. O corretivo mostra como a vida funciona. Ele faz parte do cotidiano, arma secreta de todos os funcionários. E toda vez que aquele líquido branco forma uma crosta na lista me faz pensar na momentaneidade da vida, como tudo continua, pois já pude constatar que o mundo não para de girar apesar do corretivo.

Por amor, com amor. A morte muitas vezes chega com amor. Delicadamente se instala ao lado da pessoa, aguarda pacientemente que ela segure nas mãos do outro e receba um carinho talvez. As vezes a morte chega por amor e leva todo sofrimento embora, leva a angustia que não cabe mais em si, leva a solidão, lava a alma. Amo-te. A morte. Duas coisas diferentes, mas que no fundo dizem a mesma coisa.

Sentada com o computador no colo respiro fundo e escuto o barulho dos carros lá fora, asfalto ligeiramente molhado da chuva, barulho de grilos ao longe e uma brisa bem de longe entra pela janela. Cansada e não consigo dormir, olhos secos, noite nublada. Na janela ficavam duas folhas secas presas com um pregador de roupas no beiral. Ficavam ali para me lembrar de que a vida é passageira e que a folha da árvore um dia cai. Hoje eu olhei pra janela e percebi que elas não estão mais ali, na melhor das hipóteses o vento levou. E então vejo que até as folhas secas que eu mantinha para me lembrar da transitoriedade da vida passaram.

Eu, passarinho. 




Por amor, com amor. 





domingo, 22 de janeiro de 2017

Entre braços

O coração fala nos momentos de silêncio.


Abraço

Entrelaço um braço pelo seu ombro e outro pela cintura
Apoio as mãos em suas costas
Os braços pressionam como que para garantir a posição perfeita
Então encosto rosto, corpo, cheiro, alma
E ali, naquele breve instante, meu coração bate junto ao seu
Só eles dois falam durante o silêncio da voz
E dizem um para o outro tudo aquilo que não havia sido dito
Selam entre eles o amor e carinho até então negado  
Conversam tão alto que tenho medo das pessoas ouvirem ao longe
Tudo em um abraço

Em um momento de silêncio que durou a eternidade de apenas um instante.



"A felicidade vai desabar sobre os homens."

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Incompreensível

 Entre tantos mundos particulares, seria muito pedir por compreensão.

A mesma frase lida por duas pessoas não tem o mesmo significado. Lida em dois dias diferentes também não. Lidas pela mesma pessoa, no mesmo dia, em locais diferentes, muda mais ainda. Cada instante é um mundo de singularidades.


Aquele cartão era para você, para aliviar a angústia de não ser compreendido. Era para fazer da ilusão uma realidade.

Sem palavras ou gestos explícitos eu entendi que você estava lá por mim, para quebrar o laço que nem havia se formado. Por instantes percebi a voracidade e amorosidade do seu coração. No tempo de um abraço de quem diz foi bom te conhecer. Que pena que a vida é breve e os momentos bons mais breves ainda.  

Queria te contar o quão nu seu espírito é. O quão fácil é para olhos treinados como os meus perceber no sorriso silencioso, entre uma gota de chuva e de lágrima, seu desejo contido.


Todo o amor do mundo é incompreensível.



Mas Fica bem. Se cuida. E vai com Deus.  
Um dia, quem sabe, nos veremos mais uma vez.



sexta-feira, 9 de setembro de 2016

E agora?

Olha moço, só posso te dizer que as certezas de ontem já não cabem mais no dia de hoje. E os sonhos de outrora perderam o brilho. Perdi as rédeas moço, agora sou só eu e esse cavalo selvagem. 

Quem me viu há um mês atrás poderia descrever em poucas palavras os meus sonhos e ambições para o futuro. Venho trilhando um caminho incerto e árduo por pelo menos oito meses, quase um parto, e dentre respostas positivas e dificuldades tenho tentado me equilibrar nessa tênue linha que liga minhas ambições à realidade.
Acontece que na última semana algo mudou. As rédeas que me prendiam ao cavalo partiram e eu caí. E agora moço, lá estava eu, frente a frente com aquele cavalo que nunca me obedeceu, que sempre correu na hora do trote, que dava pinotes quando eu precisava passar em silêncio. Lá estávamos nós, tete a tete e sem amarras.
Pois bem, decidi que aceitaria o que viesse. Moça, ninguém dá tiro no escuro. Que escuro, moço? Que tiro? Eu nem falei de violência e você já me vêm com essa conversa. Deixa pra depois, moça. Não é hora. Já não dá pra você. Olha moça, é difícil. Isso aí que você conseguiu foi a parte fácil. E essa idade, sei não, você já tá ficando velha pra isso.
E lá estávamos nós moço, eu e o cavalo, e eu olhava dentro dos olhos dele sem medo de nada. Mas moço, veja bem, o cavalo é selvagem e ele também não tinha medo de mim.
Foi quando os sonhos perderam o brilho moço. Foi alí naquela horinha mesma, quando eu descobri que independente do que escolhesse o resultado ia levar a uma coisa só. Que não adiantava eu laçar o cavalo ou agarrar ele pelo pêlo. Tudo leva a um final, que é o trabalho, moço. No final só nos resta trabalhar, independente do meio o final é um só. Talvez esse trabalho seja em locais diferentes, com coisas diferentes, com pessoas diferentes, mas só Deus sabe moço a satisfação que você vai sentir quando esse dia chegar. É que a gente não sabe de nada, viu.
Eu tava lá parada e ele olhando pra mim. Deu duas passadas pra trás. Olhei de lado como quem diz, tá indo pra onde? Mas nada aconteceu. Ficamos naquela posição como que duas estátuas. Eu guerreira sem as botas, de pé, braços jogados ao lado do corpo, entre as mãos as rédeas partidas. Do outro lado o cavalo de pêlo escuro, olhos úmidos e vivos, grande, bicho de porte, dava para ver que era forte o animal pelas ancas massudas.
Nesse momento eu reparei moço, que o bicho era tão danado de grande que podia me destruir em dois tapas. Mas não tive medo, só que também não quis brigar. Veja só moço, eu tenho medo só de uma coisa, que é de perder minhas convicções, meus sonhos, a vontade de viver sabe. Enquanto eu olhava pro cavalo eu percebi que meus sonhos não eram colocar as rédeas ou adestrar aquele bicho bravo, meus sonhos eram me tornar um ser humano, humano mesmo, daqueles que sentem e vivem, do tipo que ama e sente compaixão, sabe moço? O sonho era servir ao próximo e ajudar as pessoas a se sentirem bem e felizes. Moço, pois veja só! Não é que eu havia mesmo perdido as rédeas? Foi aí que eu descobri que todo o resto era o ego, era a vontade de ser mais. Ora, que hipocrisia a minha vestir o lobo de cordeiro.
Quando eu entendi tudo isso resolvi largar as rédeas. Que o cavalo seja livre. E os meus olhos secos se tornaram úmidos. E lá fomos nós, eu e o cavalo, como que dois amigos que depois de muito tempo distantes e brigados se encontram e se entendem. Veja só moço, sem rédeas, só eu e o cavalo selvagem.


O amor Deus proverá.