sexta-feira, 7 de abril de 2017

O corretivo

Diariamente lido com pessoas que me relatam obstipação, passam dias e mais dias sem ir ao banheiro, mas do meu problema ainda não ouvi nenhum caso e até duvido que haja um medicamento para isso. Há alguns dias estou sofrendo da falta de lágrimas, a garganta travada, as linhas de expressão alteradas, faço até um esforço, mas sem êxito. Olhos secos, sem nem lacrimejar.

No trabalho a lista diária sofre mudanças constantes, troca de quarto, troca de andar e principalmente devido ao falecimento das pessoas. Morte. Morte. Morte. Morte. Falamos várias vezes para que morrer se torne tão natural quanto viver. Para que a finitude do corpo físico se torne nossa amiga.
Mas o corretivo é cruel e verdadeiro. Ele apaga o nome da pessoa, seus gostos, rejeições, problemas, tudo. Apaga tudo da lista e abre espaço para que outros cheguem. O corretivo mostra como a vida funciona. Ele faz parte do cotidiano, arma secreta de todos os funcionários. E toda vez que aquele líquido branco forma uma crosta na lista me faz pensar na momentaneidade da vida, como tudo continua, pois já pude constatar que o mundo não para de girar apesar do corretivo.

Por amor, com amor. A morte muitas vezes chega com amor. Delicadamente se instala ao lado da pessoa, aguarda pacientemente que ela segure nas mãos do outro e receba um carinho talvez. As vezes a morte chega por amor e leva todo sofrimento embora, leva a angustia que não cabe mais em si, leva a solidão, lava a alma. Amo-te. A morte. Duas coisas diferentes, mas que no fundo dizem a mesma coisa.

Sentada com o computador no colo respiro fundo e escuto o barulho dos carros lá fora, asfalto ligeiramente molhado da chuva, barulho de grilos ao longe e uma brisa bem de longe entra pela janela. Cansada e não consigo dormir, olhos secos, noite nublada. Na janela ficavam duas folhas secas presas com um pregador de roupas no beiral. Ficavam ali para me lembrar de que a vida é passageira e que a folha da árvore um dia cai. Hoje eu olhei pra janela e percebi que elas não estão mais ali, na melhor das hipóteses o vento levou. E então vejo que até as folhas secas que eu mantinha para me lembrar da transitoriedade da vida passaram.

Eu, passarinho. 




Por amor, com amor. 





domingo, 22 de janeiro de 2017

Entre braços

O coração fala nos momentos de silêncio.


Abraço

Entrelaço um braço pelo seu ombro e outro pela cintura
Apoio as mãos em suas costas
Os braços pressionam como que para garantir a posição perfeita
Então encosto rosto, corpo, cheiro, alma
E ali, naquele breve instante, meu coração bate junto ao seu
Só eles dois falam durante o silêncio da voz
E dizem um para o outro tudo aquilo que não havia sido dito
Selam entre eles o amor e carinho até então negado  
Conversam tão alto que tenho medo das pessoas ouvirem ao longe
Tudo em um abraço

Em um momento de silêncio que durou a eternidade de apenas um instante.



"A felicidade vai desabar sobre os homens."

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Incompreensível

 Entre tantos mundos particulares, seria muito pedir por compreensão.

A mesma frase lida por duas pessoas não tem o mesmo significado. Lida em dois dias diferentes também não. Lidas pela mesma pessoa, no mesmo dia, em locais diferentes, muda mais ainda. Cada instante é um mundo de singularidades.


Aquele cartão era para você, para aliviar a angústia de não ser compreendido. Era para fazer da ilusão uma realidade.

Sem palavras ou gestos explícitos eu entendi que você estava lá por mim, para quebrar o laço que nem havia se formado. Por instantes percebi a voracidade e amorosidade do seu coração. No tempo de um abraço de quem diz foi bom te conhecer. Que pena que a vida é breve e os momentos bons mais breves ainda.  

Queria te contar o quão nu seu espírito é. O quão fácil é para olhos treinados como os meus perceber no sorriso silencioso, entre uma gota de chuva e de lágrima, seu desejo contido.


Todo o amor do mundo é incompreensível.



Mas Fica bem. Se cuida. E vai com Deus.  
Um dia, quem sabe, nos veremos mais uma vez.



sexta-feira, 9 de setembro de 2016

E agora?

Olha moço, só posso te dizer que as certezas de ontem já não cabem mais no dia de hoje. E os sonhos de outrora perderam o brilho. Perdi as rédeas moço, agora sou só eu e esse cavalo selvagem. 

Quem me viu há um mês atrás poderia descrever em poucas palavras os meus sonhos e ambições para o futuro. Venho trilhando um caminho incerto e árduo por pelo menos oito meses, quase um parto, e dentre respostas positivas e dificuldades tenho tentado me equilibrar nessa tênue linha que liga minhas ambições à realidade.
Acontece que na última semana algo mudou. As rédeas que me prendiam ao cavalo partiram e eu caí. E agora moço, lá estava eu, frente a frente com aquele cavalo que nunca me obedeceu, que sempre correu na hora do trote, que dava pinotes quando eu precisava passar em silêncio. Lá estávamos nós, tete a tete e sem amarras.
Pois bem, decidi que aceitaria o que viesse. Moça, ninguém dá tiro no escuro. Que escuro, moço? Que tiro? Eu nem falei de violência e você já me vêm com essa conversa. Deixa pra depois, moça. Não é hora. Já não dá pra você. Olha moça, é difícil. Isso aí que você conseguiu foi a parte fácil. E essa idade, sei não, você já tá ficando velha pra isso.
E lá estávamos nós moço, eu e o cavalo, e eu olhava dentro dos olhos dele sem medo de nada. Mas moço, veja bem, o cavalo é selvagem e ele também não tinha medo de mim.
Foi quando os sonhos perderam o brilho moço. Foi alí naquela horinha mesma, quando eu descobri que independente do que escolhesse o resultado ia levar a uma coisa só. Que não adiantava eu laçar o cavalo ou agarrar ele pelo pêlo. Tudo leva a um final, que é o trabalho, moço. No final só nos resta trabalhar, independente do meio o final é um só. Talvez esse trabalho seja em locais diferentes, com coisas diferentes, com pessoas diferentes, mas só Deus sabe moço a satisfação que você vai sentir quando esse dia chegar. É que a gente não sabe de nada, viu.
Eu tava lá parada e ele olhando pra mim. Deu duas passadas pra trás. Olhei de lado como quem diz, tá indo pra onde? Mas nada aconteceu. Ficamos naquela posição como que duas estátuas. Eu guerreira sem as botas, de pé, braços jogados ao lado do corpo, entre as mãos as rédeas partidas. Do outro lado o cavalo de pêlo escuro, olhos úmidos e vivos, grande, bicho de porte, dava para ver que era forte o animal pelas ancas massudas.
Nesse momento eu reparei moço, que o bicho era tão danado de grande que podia me destruir em dois tapas. Mas não tive medo, só que também não quis brigar. Veja só moço, eu tenho medo só de uma coisa, que é de perder minhas convicções, meus sonhos, a vontade de viver sabe. Enquanto eu olhava pro cavalo eu percebi que meus sonhos não eram colocar as rédeas ou adestrar aquele bicho bravo, meus sonhos eram me tornar um ser humano, humano mesmo, daqueles que sentem e vivem, do tipo que ama e sente compaixão, sabe moço? O sonho era servir ao próximo e ajudar as pessoas a se sentirem bem e felizes. Moço, pois veja só! Não é que eu havia mesmo perdido as rédeas? Foi aí que eu descobri que todo o resto era o ego, era a vontade de ser mais. Ora, que hipocrisia a minha vestir o lobo de cordeiro.
Quando eu entendi tudo isso resolvi largar as rédeas. Que o cavalo seja livre. E os meus olhos secos se tornaram úmidos. E lá fomos nós, eu e o cavalo, como que dois amigos que depois de muito tempo distantes e brigados se encontram e se entendem. Veja só moço, sem rédeas, só eu e o cavalo selvagem.


O amor Deus proverá. 










segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Aquilo que não é meu

Inúmeras vezes somos dominados por uma emoção que não é nossa. Aquela sensação que sobe de repente pela nossa cabeça e nos apodera como raiva, tristeza, vontade de gritar, chutar, ser arrogante, destruir, quebrar. De repente. De repentemente essa emoção chega. Não sabemos o motivo dela iniciar, ela simplesmente se apodera de nós.

Choro e quando me perguntam o motivo eu não sei explicar. Quero bater portas e janelas, quebrar os vidros, mas não sei a razão. Lembro de quando era criança e passava por essas situações sem explicação. Praticamente todas as vezes eu inventava um motivo para as emoções inexplicáveis, visto que ninguém aceita choro sem motivo nem raiva sem razão.

Foi então que descobri que essa emoção não era minha. Nunca foi. Nunca será. Ela chega de outros que estão ao meu redor, ela vêm no tom de voz, na narração do dia estressante, cheio de gritos e raiva.

Essa emoção não é minha. 

Junto com a raiva e a tristeza vêm um aperto no coração, enjoo, uma pressão na cabeça ou na nuca. Essa emoção não é minha, repito mais uma vez para poder afirmar ao meu coração que se acalme, não se identifique e que isso vai passar. Assim como veio, irá embora.

Muitas vezes por estarmos perdidos em nossos pensamentos não nos damos conta do que ocorre ao nosso redor, muito menos da origem das nossas emoções. Várias vezes estamos tranquilos, mas ao nos aproximarmos de uma pessoa ansiosa ou nervosa acabamos sentindo as mesmas coisas e partilhamos inconscientemente suas emoções, as levamos para casa e reproduzimos em amigos e familiares.
Contudo, quando começamos a observar a nós mesmos, nossos pensamentos, emoções, ações, palavras... Fica ligeiramente mais fácil detectar quando uma emoção externa começa a nos apoderar. Ela chega como uma pedra jogada em águas tranquilas. Quando estamos observando podemos detectar a pedra chegando, o movimento que provoca na água e como que por instinto nos afastamos do atirador de pedras. Mas se estivermos imersos em nossos pensamentos e devaneios, a pedra atirada, por menor que seja vira um monstro. Reagimos durante horas a esse evento que como por encanto iniciou.

Sabe Deus de nossas limitações e sabemos nós o que mora em nosso interior.

Essa emoção não é minha. Nem nunca será.





quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Véu dos meus olhos




É fácil ser bom entre os bons.

É fácil ser gentil entre os gentis.

Honra o seu caráter quando for bom entre os lazarentos de coração.

Se alegra do seu progresso quando for gentil com os arrogantes.

Porque qualquer um pode ser bom entre os bons, mas só os verdadeiros conseguem passar pela prova.


Lembra: É fácil ser bom entre os bons.


Like the wind

Naquele dia eu cheguei super cedo, acho que com uma hora de antecedência, pensei em estacionar o carro e caminhar próximo à praia, mas aquele sol de meio dia me fez mudar de ideia. Andei até a praça ali perto e sentei em um dos bancos. Do outro lado, no meio da praça estavam uma senhora, uma jovem, um senhor e um menino  nuelinho de aparentemente dois anos de idade.
Qualquer um veria que eram moradores de rua e que estavam ali almoçando. O menino era filho da moça de short jeans e blusa de alça. Danado que era não parava em um canto, moreno, com as perninhas definidas como todo criança tem, tinha no lado direito do rosto um arranhão vermelho vivo que devia ter sido de alguma queda recente.
Flavinhooo! Flavinho, desce daí. Sua mãe chamava enquanto ele ria e corria ao redor da praça brincando sozinho. Corria atrás do pombo, caia, levantava, subia nos bancos e chamava atenção de todos que passavam pela beleza da sua nudez de criança, nudez de corpo e de alma.
Não lembro quem sorriu primeiro, só sei que ele veio brincar perto do banco em que eu estava sentada. Subia no banco, pulava no chão, sentava do meu lado e olhava atento pra o papel que eu segurava como se também quisesse saber que negócio interessante (ou não) era aquele que me prendia a atenção. De repente Flavinho pegou uma folha do chão e falou "Óo!" e eu respondi "Hmm, a folha é da árvore" com aquele tom de quem acabou de falar algo super importante. Mas ele continuava "Ó, ó!", parou embaixo da árvore, olhou para cima e suspendeu a mão que segurava a folha como se quisesse de alguma forma prender novamente aquela folha amarelada na árvore.
Nesse instante eu sabia que havia algo ali para eu aprender, e que aquela criança me mostrava alguma coisa que até então eu não tinha entendido. Flavinho veio até mim e me deu a folha, na verdade ele jogou a folha na minha direção. Eu peguei do chão e segurei para entregá-lo, mas ele olhou para mim, apontou para o topo da árvore e fez "Ó". Eu já tinha entendido que ele queria prender a folha na árvore novamente. Tentei falar alguma coisa sobre não ser possível, mas que não me recordo bem agora. Depois disso ele brincou, caiu, jogou folha e pedra para cima e eu tive que ir embora devido ao horário.

Mas o que aquele menino nuelo queria me mostrar?

Dentre as várias interpretações daquele dia eu entendi que tudo passa, tudo tem seu tempo e que por mais que façamos um esforço para retornar ao que já se viveu não há como fazer isso acontecer. Assim como a folha que cai da árvore não pode ser presa novamente ao galho, nós não podemos nos prender a locais, pessoas ou momentos que passaram pela nossa vida.
A árvore era uma amendoeira daquelas que tem a folha grande e vistosa. O topo da árvore estava cheio de folhas de cores variadas, várias verdes, muitas alaranjadas, outras quase vermelhas. Apesar de ser final de inverno aquela árvore parecia ainda estar no outono. Cada folha em um momento diferente de desenvolvimento compartilhando da vida em comum presas aos galhos da árvore. Mas aquela na mão de Flavinho já havia caído, seu tempo no galho tinha terminado e ela agora voava errante com o vento.
De certa forma nossa vida também é assim. Podemos ser como uma folha na vida de alguém. Brotamos, participamos da vida daquela pessoa e depois com o tempo viramos a folha caída que não encontra mais espaço entre os galhos. Ou mesmo quem sabe a árvore ali mostrasse a energia que nos move e cada folha nosso momento de desenvolvimento e crescimento na vida.

Mas não se devolve ao galho uma folha caída... ou devolve?
Não sei... Só sei que tudo passa... tudo passará.
Cabe a nós viver o hoje.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Tarô (copiei e colei aqui para me lembrar depois)

 
Orientação

Olhando bem para a ilustração, você já fica com uma primeira idéia do que esta lâmina quer transmitir: um anjo multicolorido voa pelo espaço ilimitado levando consigo a figura de uma mulher: não encontro expressão mais linda para definir o nosso mestre interior do que esta representação.

Mas, se notar bem vai ver que a figura feminina está com o rosto virado para esta figura angelical. O que isso quer dizer? Quer significar que muitas vezes damos às costas ao nosso bem mais precioso: nossa proteção, nosso guia interno, nosso mestre, nossa intuição: aquela voz que vem do coração e que fala primeiro que nosso cérebro.

E por que fazemos isso? Porque fomos viciados em acreditar apenas naquilo que vemos com nossos olhos, ou apalpamos com nossas mãos ou pés. Os estímulos do mundo externo são, para nós, muito mais reais do que a nossa sabedoria interna. Por isso nos tornamos discípulos de alguém, fanáticos de uma religião ou caminho, apegados a pessoas que nos rodeiam, achando que são eles os nossos guias. Vã esperança! O nosso guia não está fora de nós. Está dentro de cada ser.

Literalmente é isso que a carta diz. Acompanhe: “A verdade do seu próprio ser mais profundo está tentando mostrar-lhe o caminho a seguir neste exato momento e, quando esta carta aparece, significa que você pode confiar na orientação interior que lhe está sendo dada. Esta orientação vem por meio de sussurros, e algumas vezes podemos hesitar, sem saber se compreendemos corretamente. As indicações, porém, são claras: seguindo seu guia interior você se sentirá mais pleno, mais integrado, como se estivesse se movimentando a partir do centro do seu próprio ser. Se você a acompanhar, essa célula de luz o conduzirá exatamente onde você precisa ir”.

No entanto, nem sempre é fácil ouvir esta voz interior. Para isso é preciso calma, sossego, paz. Se você sente que um exercício com imagens mentais poderá ajudá-lo a encontrar seu guia interno, tente este. Faça por 7 dias sempre ao acordar e, se sentir que resultou, repita por mais 14 dias, completando um ciclo de 21 dias. Ou continue fazendo sempre que sentir necessário. Se estiver fazendo outro exercício não misture. Espere que o outro acabe para começar este.

Exercício para encontrar seu mestre interior. 

Sentado, olhos fechados, pés firmes no chão, mãos apoiadas nas pernas com as palmas viradas para dentro, respire calmamente três vezes e leve sua atenção para a sua intenção (que está no título do exercício) e veja, sinta, ouça, perceba ou imagine que entra dentro do seu coração pelo orifício do seu corpo que achar melhor. Examine bem o ambiente do seu coração. Se estiver apertado alargue o espaço. Se estiver escuro ilumine com luz cor de rosa. Se as paredes forem opacas substitua por cristais translúcidos. Caminhe então para o centro do seu coração chamando pelo seu mestre. Conte lentamente e mentalmente até 6 e veja ou imagine que vê uma porta que se abre e por ela entra o seu mestre . Vá ao encontro dele. Abrace-o e seja abraçado por ele. Ouça o conselho que ele tem para lhe dar. Então marque um encontro com ele para revê-lo todos os dias. E sentindo que encontrou seu mestre, despeça-se dele, saia do seu coração pelo mesmo caminho que usou para entrar dentro dele e sentindo-se pleno, leve, alegre e firmemente sentado na cadeira, respire e abra os olhos.

Qual foi o conselho que ele lhe deu? Escreva o conselho num caderno que reservou só para isso.