domingo, 4 de maio de 2008

Observar os outros talvez seja uma das melhores maneiras de nos observarmos...


As pessoas sempre estão à espera de alguma coisa.

Sentam pelas praças, nas ruas ou em qualquer lugar e se prostram ali a espera daquilo que nem elas mesmas sabem o que é.

Se arrumam, mechem nos cabelos, apertam alguns botões dos seus aparelhos eletrônicos móveis, mudam de posição, olham pra qualquer direção como se aquilo amenizasse a ansiosidade e inquietação que as atormentam a todo instante, pois continuam à espera.

Caminhando entre elas sei que nenhuma nem ao menos percebe a minha presença, fico abismada com aquilo, o que será que tanto esperam?

Estão ali simplesmente a espera de um acontecimento. Algo que as façam sair do lugar, aquilo que mudará o rumo de suas vidas. “Aaai se o teto caísse”, pelo menos haveria assunto para o restante da semana ou também seria a ajuda imediata que todas as pessoas precisam, uma notícia ou acontecimento que funcione como estopim para que façam algo, para que saiam daquele mar de futilidades e de momentos vulgares para viver mesmo que por alguns instantes situações apenas vulgares ou somente fúteis, pois já faz um tempo em que não vivemos sem um desses dois itens.

Oooh céus, ninguém merece viver no meio de tantas futilidades assim. Não há ser que supere, que saia ileso de um meio como este, por isso, todos continuam a esperar. Não sei dizer o que é que esperam talvez por que eu também esteja esperando, afinal, também estou sentada na praça aguardando o acontecimento que nos tirará dessa inércia.


Um comentário:

Debby disse...

então espera! =]