sexta-feira, 9 de setembro de 2016

E agora?

Olha moço, só posso te dizer que as certezas de ontem já não cabem mais no dia de hoje. E os sonhos de outrora perderam o brilho. Perdi as rédeas moço, agora sou só eu e esse cavalo selvagem. 

Quem me viu há um mês atrás poderia descrever em poucas palavras os meus sonhos e ambições para o futuro. Venho trilhando um caminho incerto e árduo por pelo menos oito meses, quase um parto, e dentre respostas positivas e dificuldades tenho tentado me equilibrar nessa tênue linha que liga minhas ambições à realidade.
Acontece que na última semana algo mudou. As rédeas que me prendiam ao cavalo partiram e eu caí. E agora moço, lá estava eu, frente a frente com aquele cavalo que nunca me obedeceu, que sempre correu na hora do trote, que dava pinotes quando eu precisava passar em silêncio. Lá estávamos nós, tete a tete e sem amarras.
Pois bem, decidi que aceitaria o que viesse. Moça, ninguém dá tiro no escuro. Que escuro, moço? Que tiro? Eu nem falei de violência e você já me vêm com essa conversa. Deixa pra depois, moça. Não é hora. Já não dá pra você. Olha moça, é difícil. Isso aí que você conseguiu foi a parte fácil. E essa idade, sei não, você já tá ficando velha pra isso.
E lá estávamos nós moço, eu e o cavalo, e eu olhava dentro dos olhos dele sem medo de nada. Mas moço, veja bem, o cavalo é selvagem e ele também não tinha medo de mim.
Foi quando os sonhos perderam o brilho moço. Foi alí naquela horinha mesma, quando eu descobri que independente do que escolhesse o resultado ia levar a uma coisa só. Que não adiantava eu laçar o cavalo ou agarrar ele pelo pêlo. Tudo leva a um final, que é o trabalho, moço. No final só nos resta trabalhar, independente do meio o final é um só. Talvez esse trabalho seja em locais diferentes, com coisas diferentes, com pessoas diferentes, mas só Deus sabe moço a satisfação que você vai sentir quando esse dia chegar. É que a gente não sabe de nada, viu.
Eu tava lá parada e ele olhando pra mim. Deu duas passadas pra trás. Olhei de lado como quem diz, tá indo pra onde? Mas nada aconteceu. Ficamos naquela posição como que duas estátuas. Eu guerreira sem as botas, de pé, braços jogados ao lado do corpo, entre as mãos as rédeas partidas. Do outro lado o cavalo de pêlo escuro, olhos úmidos e vivos, grande, bicho de porte, dava para ver que era forte o animal pelas ancas massudas.
Nesse momento eu reparei moço, que o bicho era tão danado de grande que podia me destruir em dois tapas. Mas não tive medo, só que também não quis brigar. Veja só moço, eu tenho medo só de uma coisa, que é de perder minhas convicções, meus sonhos, a vontade de viver sabe. Enquanto eu olhava pro cavalo eu percebi que meus sonhos não eram colocar as rédeas ou adestrar aquele bicho bravo, meus sonhos eram me tornar um ser humano, humano mesmo, daqueles que sentem e vivem, do tipo que ama e sente compaixão, sabe moço? O sonho era servir ao próximo e ajudar as pessoas a se sentirem bem e felizes. Moço, pois veja só! Não é que eu havia mesmo perdido as rédeas? Foi aí que eu descobri que todo o resto era o ego, era a vontade de ser mais. Ora, que hipocrisia a minha vestir o lobo de cordeiro.
Quando eu entendi tudo isso resolvi largar as rédeas. Que o cavalo seja livre. E os meus olhos secos se tornaram úmidos. E lá fomos nós, eu e o cavalo, como que dois amigos que depois de muito tempo distantes e brigados se encontram e se entendem. Veja só moço, sem rédeas, só eu e o cavalo selvagem.


O amor Deus proverá. 










Nenhum comentário: