sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

A lua me chama, a lua me chama, me chama, me ama.


Eu nunca fiquei com tanta vontade de sair andando de noite. Agora eu entendo quando ele diz ‘a lua me chama eu tenho que ir pra rua’.





Status: Alimentando idéias - online.



Os ombros suportam o mundo
1935- SENTIMENTO DO MUNDO
Carlos Drummond de Andrade

Os ombros que suportam o mundo

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertam ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Um comentário:

Camila Chagas disse...

tenho medo disso...hauahuaaha

qndo tava ouvindo essa musica eu saí pq a rua, a lua, as estrelas e o infinito me chamaram e eu fui... xD

Pensamentos vazios, noite escura e um anjo errante no meio do caminho ^^

foi tão bom...parece até q foi ontem...na verdade, isso é um hábito!!! huahauahaua